Avaliação de corantes para determinação de venação foliar e prospecção fitoquímica de Psidium myrtoides (araçá-roxo)

Conteúdo do artigo principal

Antonio Carlos Pereira de Menezes Filho

Resumo

A espécie Psidium myrtoides encontrada no domínio Cerrado no Brasil apresenta escassos dados na literatura sobre o padrão de venação foliar e sobre sua prospecção fitoquímica preliminar. O trabalho visou avaliar diferentes corantes para determinação do padrão de venação e da prospecção fitoquímica do extrato hidroetanólico foliar. Foram coletadas 10 folhas sadias em 5 exemplares de P. myrtoides, para o experimento de identificação utilizando os seguintes corantes: azul de toluidina, fucsina, safranina e violeta de genciana. Para o segundo experimento, folhas sadias foram coletadas em duas sazonalidades, período (seco e chuvoso). Extratos foliares hidroetanólicos 70% (v/v) foram produzidos e analisados para: ácidos orgânicos, açúcares redutores e não redutores, alcaloides, flavonoides, saponinas espumídicas e hemolíticas, cumarinas, glicosídeos cardíacos, fenólicos, taninos, polissacarídeos, derivados de benzoquinonas, depsídeos e depsidonas, antraquinonas e duplas olefínicas. O uso dos corantes atípicos apresentaram excelentes resultados para distinção das estruturas morfológicas de venação, sendo boas opções para o estudo taxonômico. A análise fitoquímica apresentou resultados importantes para a maioria das classes químicas avaliadas, exceto para os compostos polissacarídeos, derivados de benzoquinonas e antraquinonas que apresentaram resultados negativos. Este estudo apresentou resultados inéditos que comporá os dados científicos sobre a sistemática vegetal para a correta classificação de P. myrtoides a partir da análise de venação foliar. Os corantes empregados na diferenciação de estruturas de venação poderão ser utilizados para outros estudos com esta e como novas opções para determinação de outros padrões de venação em variadas famílias botânicas. Quanto aos resultados de prospecção fitoquímica, os extratos devem ser avaliados quanto a cada composto fitoquímico e sua concentração, observando ser uma espécie vegetal rica em diversificados compostos fitoquímicos importante para a indústria farmacêutica, agrícola, de biotecnologia e alimentícia.

Detalhes do artigo

Como Citar
1.
Filho ACP de M. Avaliação de corantes para determinação de venação foliar e prospecção fitoquímica de Psidium myrtoides (araçá-roxo). Braz. J. Nat. Sci [Internet]. 1º de dezembro de 2020 [citado 29º de junho de 2022];3(3):418. Disponível em: https://bjns.com.br/index.php/BJNS/article/view/111
Seção
Artigo Original
Biografia do Autor

Antonio Carlos Pereira de Menezes Filho, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano-IF Goiano

Mestre em Agroquímica pelo Instituto Federal Goiano, Campus Rio Verde, GO, Brasil

Graduado em Ciências Biológias pela Universidade de Rio Verde, Campus Rio Verde, GO, Brasil

Técnico em Açúcar e Álcool pelo Instituto Federal Goiano, Campus Rio verde, GO, Brasil

Referências

1. Gomes CC, Moura TM. Estrutura genética em populações de plantas do Cerrado. Rev Agrotec. 2010;1:33-51.
2. Soares-Silva LH, Proença CEB. A new species of Psidium L. (Myrtaceae) from southern Brazil. Bot J Linn Soc. 2008;158:51-4.
3. Soares ID, Nogueira AC, Grabias J, Kuniyoshi YS. Caracterização morfológica de fruto, semente e plântula de Psidium rufum DC. (Myrtaceae). Iheringia. 2017;72(2):221-7.
4. Souza VC, Lorenzi H. Botânica Sistemática – Guia ilustrado para a identificação das famílias de fanerógamas nativas e exóticas no Brasil, baseado em APG II. Nova Odessa: Plantarum; 2008.
5. Landrum LR, Kawasaki ML. The genera of Myrtaceae in Brazil: an illustrated synoptic treatement and identification keys. Brittonia. 1997;49(4):508-36.
6. McVaugh R. The genera of American Myrtaceae. Taxon. 1968;17(4):354-418.
7. Saibert PCS, Romagnolo MB, Albiero ALM. Comparação morfológica de folhas de Campomanesia xanthorcapa O. Berg e Campomanesia guaviroba (DC.) Kiaersk. (Myrtaceae) como contribuição a farmacognosia. Vis Acad. 2018;19(3):5-27.
8. Fonsêca LCM, Proença CEB, Gonçalves EG. Descrição do padrão de venação em Spathicarpa Hook. Acta Bot Bras. 2007;21(1):213-21.
10. Hickey LJ, Taylor DW. The leaf Architecture of Ticodendron and the Application of foliar characters in discerning its relationships. Annals of the Miss Bot Gard. 1991;78:105-30.
11. Kraus JE, Arduin M. Manual básico de métodos em morfologia vegetal. Rio de Janeiro: EDUR; 1997.
12. Bezerra JEF, Lederman IE, Silva Juniuor JF, Proença CEB. Araçá. In: Vieira RF, Costa TSA, Silva DB, Ferreira FR, Sano SM. (Editores). Frutas nativas da região Centro-Oeste do Brasil. Brasília: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia; 2006.
13. Amede SC, Graciano-ribeiro A, Rezende MH, Faria MT. Morfo-anatomia e histoquímica foliar de Azadirachta indica A. Juss. (Neem) (Meliaceae), cultivadas em Goiás. Rev Elet Edu Facul Ara. 2015;7:65-89.
14. Shobe WR, Lersten NR. A techniques for clearing and staining Gymnosperm leaves. Bot Gazette. 1967;128(2):150-2.
15. Hickey LJ. A revised Classification of the Architecture of dicotyledonous leaves. In: Metcalfe CR, Chalk L. (Ed.). Anatomy of the dicotyledons, v. 1, 2nd, Ed. Oxford: Claredon Press; 1979.
16. LEAF OF ARCHITETURE WORKING GROUP. Manual of leaf Architecture-morphological description and categorization of dicotyledonous and net veined monocotyledonous angiosperms; 2009.
17. Henriques SVC, Almeida SSMS. Identificação do caráter medicinal da espécie Curatela americana por meio das folhas. Est Cient. 2013;3(2):89-97.
18. Barbosa WLR, Quignard E, Tavares ICC, Pinto LN, Oliveira FQ, Oliveira RM. Manual para análise fitoquímica e cromatográfica de extratos vegetais. UFPA-PA. Rev Cient, 2004;4:1-19.
19. Kloss LC, Albino AM, Souza RG, LIMA RA. Identificação de classes de metabólitos secundários do extrato etanólico de Piper umbellatum L. (Piperaceae). SOUT AMER J Basic Educ, Tec Techn. 2016;3(2):118-28.
20. Menezes Filho ACP, Castro CFS. Prospecção fitoquímica preliminar dos frutos do jatobá-do-cerrado (Hymenaea stigonocarpa Mart. ex Hayne) e murici-bravo (Byrsonima coccolobifolia Kunth). Glob Sci Techn. 2018;11(3):241-55.
21. Silva NLA, Miranda FAA, Conceição GM. Triagem fitoquímica de plantas de cerrado, da área de proteção ambiental municipal de Inhamum, Caxias, Maranhão. Rev Sci Plen. 2010;6(2):1-17.
22. Gomes NM, Martins RL, Almeida SSMS. Análise preliminar fitoquímica do extrato bruto das folhas de Nephrolepis pectinata. Est Cien. 2017;7(1):77-85.
23. Gomes EMC, Pena RCM, Almeida SSMS. Composição fitoquímica e ação fungicida de extratos brutos de Cinnamomum zeylanicum sobre Quambalaria eucalypti. Bio Ama. 2016;6(4):54-8.
24. Harper L, Freeling M. Studies on early leaf development. Current Opinion in Biotechnology. 1996;7:139-44.
25. Gomes SM, Somavilla NSD, Gomes-Bezerra KM, Miranda SC, De-Carvalho OS, Graciano-Ribeiro D. Anatomia foliar de espécies de Myrtaceae: contribuição à taxonomia e filogenia. Acta Bot Bras. 2009;23:223-38.
26. Cardoso CMV, Sajo MG. Nervação foliar em espécies brasileiras de Myrtaceae Adans. Acta Bot Bras. 2006;20(3):657-69.
27. Lima MPS, Soares A, Sousa JLR, Carvalho MS, Porto JMP, Braga FT. Leaf Architecture of Rubiaceae Juss. From caatinga vegetation in Brazil. Biota Neo. 2019;19(1):e20170473.
28. Donato AM, Morretes BL. Anatomia foliar de Eugenia brasiliensis Lam. (Myrtaceae) proveniente de áreas de restinga e de floresta. Braz J Pharmac. 2007;17(3):426-43.
29. Martins JR, Alvarenga AA, Castro EM, Silva APO, Alves E. Anatomia foliar de plantas de alfavaca-cravo cultivadas sob malhas coloridas. Ciên Rural. 2009;39(1):82-7.
30. Larcher W. Ecofisiologia vegetal. São Carlos: RiMA Artes e Textos, 2004.
31. León JAM, Fuentes DP, Rodríguez ET, Espinosa RH, García AF, Armas MS. Composición fitoquímica y actividad antibacteriana de los extractos clorofórmicos de las hojas de Cassia uniflora Mill. Rev Cub Plan Medi. 2018;23(1).
32. Orsi PP, Seito LN, Di Stasi LC. Hymenaea stigonocarpa Mart. ex Hayne: A tropical medicinal plant with intestinal antiinflammatory activity in TNBS model of intestinal inflammantion in rats. J Ethno. 2014;151:380-385.
33. Cassini J. Utilização de enzimas para a obtenção de óleos essenciais e cumarinas da casca de Citrus latifolia Tanaka. 2010. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia), Universidade de Caxias do Sul, RS, f. 60.
34. Tian Y, Zou B, Li C-M, Yang J, Xu S-F, Hagerman AE. High molecular weight persimmon tannin is a potente antioxidant both ex vivo and in vivo. F Res Inter. 2012;45(1):26-30.
35. Micheletti AC, Beatriz A. Progressos recentes na pesquisa de compostos orgânicos com potencial atividade leishmanicida. Rev Virt Quím. 2012;4(3):268-286.
36. Barroso ICE, Oliveira F. Caracterização farmacognóstica dos frutos de Cordia sellowiana Cham. e de Cordia myxa L. (Boraginaceae Jussieu). Rev Bras Farmac. 2009;19(2A):458-70.
37. Chomcheon P, Wiyakrytta S, Sriubolmas N, Ngamrojanavanich N, Kengtong S, Mahidrol C, Ruchirawat S, Kittakoop P. Aromatase inhibitory, radical scavening and antioxidant activities of depsidones and diaryl ethers from the endophytic fungus Corynespora cassiicola L36. Phyt. 2009;70:407-13.