Uso in natura do guaraná (Paullinia cupana kunth): estudo quantitativo no município de Maués (AM) Brasil.

Conteúdo do artigo principal

Regina Flávia Sausmikat Soares
Afrânio Amorim Francisco Soares Filho
Rogério da Silva Veiga

Resumo

O estudo teve como objetivo principal levantar os hábitos e motivações associados ao consumo do guaraná (Paullinia Cupana Kunth) junto aos moradores de Maués, município do Amazonas reconhecido nacionalmente pela qualidade do guaraná produzido. A pesquisa concentrou-se, exclusivamente, no consumo in natura, por meio das aplicações mais utilizadas pelo público-alvo. Classifica-se, predominantemente, como estudo quantitativo, com finalidade descritiva e periodicidade transversal. Investigação do tipo exploratória, identificando os interesses e motivações do uso do guaraná in natura, onde confirma a associação dos hábitos de consumo à tradição popular local. Os dados foram coletados por meio de survey aplicada presencialmente a uma amostra de 301 indivíduos residentes em Maués/Amazonas, Brasil. Os Resultados evidenciaram um significativo volume de consumo da planta (63,4%) em pó (pronto para uso) ou na sua forma básica de bastão. Predominantemente, usam-no como estimulante (85,4%), para a longevidade (24,6%) ou o fortalecimento do sistema imunológico (19,6%). O consumo é, quase totalmente, motivado pela tradição local (80%) com base no conhecimento adquirido e transferido por gerações. Somente 1% buscaram orientação profissional para consumi-lo. A maioria (59,3%) dilui o pó em água e aplica em pequenas doses diárias (1-2g), entretanto, 23,5% o fazem mais de uma vez ao dia (4-5g). Mesmo reconhecendo haver distúrbios no sistema nervoso – e até mesmo cardiopatias em razão da superdosagem – 66,4% afirmaram categoricamente que o guaraná “só faz bem”.

Detalhes do artigo

Como Citar
1.
Sausmikat Soares RF, Amorim Francisco Soares Filho A, da Silva Veiga R. Uso in natura do guaraná (Paullinia cupana kunth): estudo quantitativo no município de Maués (AM) Brasil. Braz. J. Nat. Sci [Internet]. 13º de abril de 2022 [citado 9º de agosto de 2022];4(3):E1552022, 1 - 16. Disponível em: https://bjns.com.br/index.php/BJNS/article/view/155
Seção
Artigo original em fluxo contínuo
Biografia do Autor

Regina Flávia Sausmikat Soares, Faculdade Aberta do Tocantins (FAT) - Brasil

Administradora de Empresas, discente do curso de Pós-graduação em Fitoterapia Integrativa (PPGFI), da Faculdade Aberta do Tocantins (FAT), no Polo São Paulo Courses4u.

Afrânio Amorim Francisco Soares Filho, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) - Brasil

Professor no Curso de Administração da Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Mestre pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Doutor em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Rogério da Silva Veiga, Faculdade Aberta do Tocantins (FAT) - Brasil

Farmacêutico com ênfase em alimentos. Mestre em farmacologia, Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas. Doutor em ciências da saúde, pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Referências

Abell, N., Springer, D. W., & Kamata, A. (2009). Developing and Validating Rapid Assessment Instruments. New York, NY, USA: Oxford University Press.

ANVISA. (10 de março de 2010). RESOLUÇÃO - RDC Nº 10, DE 9 DE MARÇO DE 2010. Legislações - RDC. Brasília, DF, Brasil: Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

Argenta, S. C., Argenta, L. C., Giacomelli, S. R., & Cezarotto, V. S. (maio de 2011). Plantas Medicinais: Cultura Popular Versus Ciência. Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI, 7(12), pp. 51-60.

Brasil. Ministério da Saúde. (2012). Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde.

Caregnato, R. C., & Mutti, R. (Out-Dez de 2006). Pesquisa Qualitativa: Análise do Discurso Versus Análise de Conteúdo. Texto Contexto Enfermagem, 15(4), pp. 679-684. doi:10.1590/S0104-07072006000400017

Castro, M. A. (2014). POP 3 Crítica de inquéritos alimentares: padronização de medidas caseiras. Universidade de São Paulo, Depto de Nutrição / FSP / USP. São Paulo: GAC Grupo de Pesquisa em Avaliação Alimentar.

Castro, N. H. (1992). Cultura do Guaranazeiro. Documento, EMBRAPA, CPATU, Belém (PA).

Chernoviz, P. L. (1890). Dicionário de Medicina Popular (6ª ed., Vol. II). Paris, França: A. ROGER & F. CHERNOVIZ.

Field, A. (2005). Discovering Statistics Using SPSS. London: SAGE Publk

Gadelha, C. S., Junior, V. M., Bezerra, K. K., Pereira, B. B., & Maracajá, P. B. (dezembro de 2013). Estudo bibliográfico sobre o uso das plantas medicinais e fitoterápicos no Brasil. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 8(5), pp. 208-212. Fonte: https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/RVADS/article/view/3577

Hair Jr, J. F., Wolfbarger, M., Ortinau, D., & Bush, R. P. (2010). Fundamentos de Pesquisa de Marketing. (F. A. Costa, Trad.) Porto Alegre: Bookman.

HairJr., J. F., Black, W. C., Babin, B. J., & Anderson, R. E. (2009). Multivariate Data Analysis (7a. ed.). New Jersey: Prentice-Hall.

Hill, M. M., & Hill, A. (2008). Investigações por Questionário. Lisboa: Sílabo.

IBGE. (2020). Pesquisa nacional de saúde: 2019: informações sobre domicílios, acesso e utilização dos serviços de saúde. Brasil, grandes regiões e unidades da federação, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Coordenação de Trabalho e Rendimento, Rio de Janeiro.

IBGE. (2020). Produção Agrícola Municipal. Rio de Janeiro: IBGE.

IBGE. (agosto/2020). Estimativa da População Residente para os Municípios e para as Unidades da Federação Brasileiros com data de referência de 1º de julho de 2020. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Diretoria de Pesquisas DPE - Coordenação de População e Indicadores Sociais COPIS. Rio de Janeiro: IBGE.

Krewer, C. d., Ribeiro, E. E., Ribeiro, E. A., Moresco, R. N., Rocha, M. I., Montagner, G. F., Mânic, I. B. (2011). Habitual Ingestion of Guaraná and Metabolic Morbidities: An Epidemiological Study of an Elderly Amazonian Population. Phytotherapy Research, 25(9), pp. 1367-1374. doi:10.1002/ptr.3437

Lanini, J., Duarte-Almeida, J. M., Nappo, S., & Carlini, E. A. (jan./mar. de 2009). “O que vêm da terra não faz mal” - relatos de problemas relacionados ao uso de plantas medicinais por raizeiros de Diadema/SP. Revista Brasileira de Farmacognosia, 19(1A), pp. 121- 129. doi:10.1590/S0102-695X2009000100022

Le Cointe, P. (1947). Árvores e Plantas Úteis (2ª ed., Vol. 251). Belém, PA: Companhia Editora Nacional.

Malhotra, N. K. (2006). Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. (4a. ed.). Porto Alegre, RS, Brasil: Bookman.

Marques, L. L., Ferreira, E. D., Paula, M. N., Klein, T., & Mello, J. C. (2019). Paullinia cupana: a multipurpose plant – a review. (S. B. Farmacognosia, Ed.) Revista Brasileira de Farmacognosia, 29(2019), pp. 77-110. doi:10.1016/j.bjp.2018.08.007

Maués. (2021). https://www.maues.am.gov.br/. (PREFEITURA DE MAUÉS) Acesso em 04 de ago. de 2021, disponível em PREFEITURA MUNICIPAL DE MAUÉS: https://www.maues.am.gov.br/a-cidade/

Michiles, R. J. (2010). A cadeia produtiva do guaraná: Um Estudo com o Guaraná no Município de Maués. Universidade Federal do Amazonas, Programa de Pós- Graduação em Biotecnologia. Manaus: UFAM. Acesso em 06 de junho de 2021, disponível em https://tede.ufam.edu.br/bitstream/tede/4492/1/RONALDO%20JOS%C3%89%20MIC HILES.pdf

Miranda, M. V. (2008). Paullinia cupana: Atualização de patogenesia. Trabalho de conclusão de curso de especialização em homeopatia para médicos, INSTITUTO DE CULTURA Homeopática, São Paulo.

Nicoletti, M. A., Oliveira-Júnior, M. A., Bertasso, C. C., Caporossi, P. Y., & Tavares, A. P. (2007). Principais Interações no Uso de Medicamentos Fitoterápicos. Infarma - Ciências Farmacêuticas, 19(1/2), pp. 32-40. Fonte: http://revistas.cff.org.br/?journal=infarma&page=article&op=view&path%5B%5D=222

OPAS/OMS. (Out de 2020). Medicinas tradicionais, complementares e integrativas. (OMS) Acesso em 8 de ago. de 2021, disponível em OPAS-Organização Panamericana de Saúde: https://www.paho.org/pt/topicos/medicinas-tradicionais-complementares-e- integrativas

Portal Valor Amazônico. (2020 de Out de 2020). Empreendedorismo. Guaraná de Maués recebe reconhecimento nacional com a concessão de selo de Indicação Geográfica. Manaus, AM. Acesso em 30 de junho de 2021, disponível emhttps://valoramazonico.com/2020/10/21/guarana-de-maues-recebe-reconhecimento- nacional-com-a-concessão-de-selo-de-indicação-geográfica/

Retamoso, V., Mesquita, M. d., & Oliveira, V. R. (2009). Padronização de Medidas Caseiras como Instrumento Facilitador para Discentes e Docentes do Curso de Nutrição. Revista Disciplinarum Scientia, 10(1), pp. 127-136. Fonte: https://periodicos.ufn.edu.br/index.php/disciplinarumS/article/view/957

Ribeiro, E. E., & Cruz, I. M. (2016). O Guaraná: Saúde e Longevidade (1ª ed., Vol. 1). Manaus, AM, Brasil: ILAEG.

Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Amazonas. (2021). Relatório da I Oficina de Fitoterápicos do Polo BioAmazonas. Oficina, Governo do Amazonas, Secretaria Executiva de Ciência, Tecnologia e Inovação, Manaus.

Tfouni, S. A., Camargo, M. C., Vitorino, S. H., Menegário, T. F., & Toledo, M. C. (jan./fev. de 2007). Contribuição do Guaraná em Pó (Paullinia cupana) como Fonte de Cafeína na Dieta. Revista de Nutrição, 20(1), pp. 63-68. doi:10.1590/S1415-52732007000100007.

Tomazzoni, M. I., Negrelle, R. R., & Centa, M. d. (2006). Fitoterapia popular: a busca instrumental enquanto prática terapeuta. Texto & Contexto - Enfermagem, 15(1), pp. 115-121. doi:10.1590/S0104-07072006000100014.

TRE-AM. (agosto de 2021). Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas. Acesso em 10 de agosto de 2121, disponível em Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas: https://www.tre- am.jus.br/eleições/eleitorado

Vieira, I. M., & Figueiredo, M. C. (jan./jul. de 2018). Folk comunicação e Turismo Cultural: Festa do Guaraná de Maués (AM). (M. M. Filho, Ed.) RELEM – Revista Eletrônica Mutações, 9(16), pp. 69-82. Fonte: https://periodicos.ufam.edu.br/index.php/relem/article/view/5392

WHO - World Health Organization (2013). Traditional Medicine Strategy 2014-2023. WHO, WHO Library Cataloguing-in-Publication Data. Hong-Kong: WHO Library Cataloguing-in-Publication Data. Retrieved from https://apps.who.int/iris/handle/10665/92455