A importância da fotoeducação na prevenção do câncer de pele.

Conteúdo do artigo principal

Augusto César de Melo Almeida
Renato Santos de Oliveira Filho
Heitor Carvalho Gomes
Guilherme Routh Peixoto
Lydia Masako Ferreira

Resumo

O câncer de pele é a neoplasia mais frequente no Brasil e o principal agente causal é a radiação ultravioleta (UV) proveniente do sol. A recomendação mais aceita, para a prevenção, é a diminuição da exposição ao sol e o uso de protetores solares, tanto físicos quanto químicos. Com objetivo de reduzir a incidência da doença e demostrar que a prevenção é mais econômica do que o tratamento, deve-se apresentar informações principalmente aos grupos de risco, para maior compreensão da magnitude do problema e estimulá-las através da fotoeducação como medida efetiva de prevenção, através do controle dos fatores de risco e estímulo aos fatores protetores. Foi realizado uma revisão não sistemática da literatura e consultadas as bases de dados PubMed, Lilacs, Scielo e google acadêmico, utilizando os seguintes descritores em português e inglês: Health Education, primary prevention, skin neoplasm. Os artigos selecionados foram aqueles que abordam com relevância o tema fotoeducação para prevenção ao câncer de pele. A revisão da literatura evidência um importante problema de saúde pública, que se agrava com a falta de conhecimento e informação das pessoas. Portanto, nota-se a importância da fotoeducação ao público em geral e principalmente aos grupos de riscos para prevenção e detecção precoce do câncer de pele e consequente diminuição da morbimortalidade.

Detalhes do artigo

Como Citar
1.
Almeida AC de M, Oliveira Filho RS de, Gomes HC, Peixoto GR, Ferreira LM. A importância da fotoeducação na prevenção do câncer de pele. Braz. J. Nat. Sci [Internet]. 25º de julho de 2020 [citado 27º de outubro de 2021];3(2):335. Disponível em: https://bjns.com.br/index.php/BJNS/article/view/95
Seção
Artigos de Revisão
Biografia do Autor

Renato Santos de Oliveira Filho, Unifesp

Graduado em medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (1985) e doutorado em Medicina (Clínica Cirúrgica) pela Universidade de São Paulo (1995). É Professor Afiliado da Universidade Federal de São Paulo, Departamento de Cirurgia, Disciplina de Cirurgia Plástica e Professor do Programa de Pós-Graduação do Mestrado Profissional em Ciência, Tecnologia e Gestão em Regeneração Tecidual da Unifesp, é aluno de Pós-Doutorado no Programa de Pos-Graduação em Cirurgia Translacional da UNIFESP, com bolsa CAPES e sob supervisão da Profa. Dra. Lydia Masako Ferreira. Coordenador do Setor de Melanoma e Tumores Cutâneos da Disciplina CP da Unifesp, Sua linha de pesquisa é melanoma e Linfonodo Sentinela. Orientou e co-orientou várias teses de mestrado e doutorado e trabalhos de iniciação científica. Recebeu diversos prêmios sendo o mais importante o "Prêmio Einstein e Pesquisa 2008 na categoria Ciência Básica e Cirurgia Experimental". É consultor "ad hoc" da FAPESP e revisor da Revista Brasileira de Cancerologia e da "Clinics". Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Cirurgia Oncológica, atuando principalmente em: melanoma e tumores cutâneos, câncer de mama, linfonodo sentinela e sarcomas. É registrado no Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo e no Conselho Federal de Medicina nas especialidades de Cirurgia Geral e Oncologia. É membro titular do Colégio Brasileiro de Cirurgiões (cirurgia oncológica), é membro da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica e membro associado efetivo (sócio fundador) do Grupo Brasileiro de Melanoma. Exerce a função de diretor clínico do Centro de Prevenção de Câncer "Clínica Prof. Dr. Renato Santos" (www.prevencaodecancer.com.br), é membro do Setor de Tumores Cutâneos do Hospital Nove de Julho e do Núcleo de Oncologia Cutânea do Centro de Oncologia e Hematologia Família Dayan Daycoval do Hospital Israelita Albert Einstein e Coordenador do Setor de Melanoma e Tumores Cutâneos da Disciplina de Cirurgia Plástica da UNIFESP.

Heitor Carvalho Gomes, UNIFESP

Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal de São Paulo (1985), mestrado em Cirurgia Plástica Reparadora pela Universidade Federal de São Paulo (1993) e doutorado em Medicina pela Universidade Federal de São Paulo (1997). Atualmente é Professor Adjunto da Disciplina de Cirurgia Plástica da Universidade Federal de São Paulo, Professor Orientador do Mestrado Profissional em Ciencia, Tecnologia e Gestão Aplicadas à Regeneração Tecidual da UNIFESP, Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Cirurgia Plástica e Restauradora, atuando principalmente nos seguintes temas: câncer de mama, câncer de pele e "design thinking" como método para resolver problemas em saúde.

Guilherme Routh Peixoto, UNIFESP

Graduando no curso médico da Escola Paulista de Medicina - UNIFESP

Lydia Masako Ferreira, UNIFESP

Doutorado em Cirurgia Plastica Reparadora - UNIFESP (1985), Pós Doc University of California, San Francisco (1992), Livre Docência UNIFESP (1994), Profa Titular Disciplina Cirurgia Plástica UNIFESP (desde 1996), Pesquisadora CNPq 1A (2013-2019), IB (2006-2013) 1C e 2 (desde 1994), Coordenadora Med III CAPES (2011 - 2018), Coordenadora Adjunto Med III CAPES (2005 - 2011), Membro do Comitie Assessoramento de Medicina (CA-MD) CNPq 2016-2019. Coordenadora CA Med. CNPq 2012-2014, Chefe do Depto Cirurgia (2008-2011), Coordenadora Programa Pós Graduação Cirurgia Plástica UNIFESP (1996-2009 e 2018-2020), Membro da Comissão Avaliação-Medicina (CA-Med) CNPq 2010-2013;Coordenadora CA Medicina CNPq 2012-2013; Membro Comissão Avaliação Abertura Cursos Médicos SESU MEC 2006-7; Consultora da FAPESP, CNPq, CAPES, FAPERJ. Editora Associada Internacional do Corpo Editorial do Plastic Reconstructive Surgery Global Open, Editora da área Clinics, Revisora do Plastic and Reconstructive Surgery, American Journal of Clinical Nutrition, Stem Cell Research, International.Immunopharmacology, Journal of Plastic Reconstructive & Aesthetic Surgery, Stem Cells Translational Medicine, Frontiers, Laryngoscope, Brazilian Journal of Medical and Biological Research, Clinics, Revista da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, Revista Brasileira de Queimaduras, Estima. Membro da Câmara técnica sobre prod.téc.(2007-2017) e membro da Câmara de Cirurgia Plástica do CFM (2007 - atual) . Presidente SOBRADPEC-Reg São Paulo (2005-2015). É membro da International Society Aesthetic Plastic Surgery-ISAPS, IPRAS, Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e Soc Bras de Queimaduras,. Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Cirurgia Plástica, atuando principalmente nos seguintes temas: Medicina Regenerativa, Cultura de células e Qualidade de vida e Gestão em Cirurgia Plástica,

Referências

Cardoso FAMES, Mesquita GV, Campelo V, Martins MDCCE, Almeida CAPL, Rabelo RS, Rocha AEA, Santos JLOD. Prevalence of photoprotection and its associated factors in risk group for skin cancer in Teresina, Piauí. An Bras Dermatol. 2017;92(2):206-10.

Castilho IG, Marcelo R, Leite S, Aparecida M, Sousa A. Fotoexposição e fatores de risco para câncer da pele: uma avaliação de hábitos e conhecimentos entre estudantes universitários. An Bras Dermatol. 2010;85(2):173-78

Cortez, DAG, Machado ES, Vermelho SCSD, Teixeira JJV, Cortez LER. O conhecimento e a utilização de filtro solar por profissionais da beleza. Ciência & Saúde Coletiva. 2016; 21(7): 2267-74.

Diepgen TL, Fartasch M, Drexler H, Schmitt J. Occupational skin cancer induced by ultraviolet radiation and its prevention. British Association of Dermatologists. 2012;67:76-84

Gallagher RP, Lee TK. Adverse effects of ultraviolet radiation: a brief review. Prog Biophys Mol Biol. 2006;92:119-31.

Gordon LG, Rowell D. Health system costs of skin cancer and cost-effectiveness of skin cancer prevention and screening: a systematic review. European Journal of Cancer Prevention. 2015; 24(2):141–49.

Instituto Nacional do Câncer [homepage da internet]. Câncer de Pele não-melanoma [acesso em 27 dezembro 2019]. Disponível em https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-de-pele-nao-melanoma (INCA, 2018a).

Instituto Nacional do Câncer [homepage da internet]. Câncer de pele e melanoma [acesso em 27 dezembro 2019]. Disponível em https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-de-pele-melanoma (INCA, 2018b).

Instituto Nacional do Câncer [homepage da internet]. Câncer de pele e melanoma [acesso em 29 março 2020]. Disponível em https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files/media/document/estimativa-2020-incidencia-de-cancer-no-brasil.pdf (INCA, 2020)

Lourenço GSF, VALE CR, Ferreira LG. Avaliação do nível de conhecimento sobre fotoenvelhecimento e levantamento de casos de câncer de pele em Iporá-GO. Enciclopédia Bioesfera, 2010; 6(9): 01-14.

Oliveira LM, Glauss N, Palma A. Habits related to sun exposure among physical education teachers working with water activities. An Bras Dermatol. 2011;86(3):445-50.

Oliveira DA, Gomes HC, Filho RSO, Ferreira LM. Câncer de pele: conhecer para melhor combater. São Paulo: Senac; 2018. 73p.

Peters CE, Pasko E, Strahlendorf P, Holness DL, Tenkate T. Solar Ultraviolet Radiation Exposure among Outdoor Workers in Three Canadian Provinces. Ann Work Expo Health. 2019 XX(XX)1-10.

Popim RC, Corrente JE, Marino JAG, Souza CA. Câncer de pele: uso de medidas preventivas e perfil demográfico de um grupo de risco na cidade de Botucatu. Ciência e Saúde Coletiva. 2008;13(4):1331-36.

Purim KSM, Franzoi, CF. Hábitos solares e fotoproteção de médicos – estudo exploratório. Rev. Med. Res.2014;16(2):89-98.

Ragan KR, Buchanan Lunsford N, Thomas CC, Tai EW, Sussell A, Holman DM. Skin Cancer Prevention Behaviors Among Agricultural and Construction Workers in the UnitedStates, 2015. Prev Chronic Dis. 2019;16:E15

Reinau D, Weiss M, Meier CR, Diepgen TL, Surber C. Outdoor workers' sun-related knowledge, attitudes and protective behaviours: a systematic review of cross-sectional and interventional studies. Br J Dermatol. 2013;168(5):928-40.

Rocha FP, Menezes AMB, Almeida JHL, Tomasi E. Especificidade e sensibilidade de rastreamento para lesões cutâneas pré-malignas e malignas. Rev Saúde Pública. 2002;36:101-6.

Saraiya M, Glanz K, Briss PA, Nichols P, White C, Das D, Smith SJ, Tannor B, Hutchinson AB, Wilson KM, Gandhi N, Lee NC, Rimer B, Coates RC, Kerner JF, Hiatt RA, Buffler P, Rochester P. Interventions to prevent skin cancer by reducing exposure to ultraviolet radiation: a systematic review. American Journal of Preventive Medicine, New York. 2004;27(5):422-66.

Schalka S, Steiner D, Ravelli FN, Steiner T, Terena AC, Marçon CR, Ayres EL, Addor FA, Miot HA, Ponzio H, Duarte I, Neffá J, Cunha JA, Boza JC, Samorano LP, Corrêa MP, Maia M, Nasser N, Leite OM, Lopes OS, Oliveira PD, Meyer RL, Cestari T, Reis VM, Rego VR; Brazilian Society of Dermatology. Brazilian consensus on photoprotection. An Bras Dermatol. 2014;89(6 Suppl 1):1-74.

Silva VP, Paiva TMA, Sousa TAA, Marques RCP. Câncer de pele: uso de medidas preventivas e perfil demográfico de um grupo de risco na cidade de Mossoró/RN. Revista Extendere. 2016;4(1):76-84.

Souza RJSP, Mattedi AP, Corrêa MP, Rezende ML, Ferreira ACA. Estimativa do custo do tratamento do câncer de pele tipo não-melanoma no Estado de São Paulo - Brasil. An. Bras. Dermatol. 2011; 86(4): 657-62.

Umezono Y, Sato Y, Noto M, Yamada K, Noguchi N, Hasunuma N, Osada SI, Manabe M. Incidence rate of cutaneous squamous cell carcinoma is rapidly increasing in Akita Prefecture: Urgent alert for super-aged society. J Dermatol. 2019;46(3):259-62.

Wild CP, Weiderpass E, Stewart BW, editors (2020). World Cancer Report: Cancer Research for Cancer Prevention. Lyon, France: International Agency for Research on Cancer. Disponível em: http://publications.iarc.fr/586.

Ziehfreund S, Schuster B, Zink A. Primary prevention of keratinocyte carcinoma among outdoor workers, the general populationand medical professionals: a systematic review updated for 2019. J Eur Acad Dermatol Venereol. 2019.

Zink A. Trends in the treatment and prevention of keratinocyte carcinoma (non-melanoma skin cancer). Curr Opin Pharmacol. 2019;46:19-23.