Análises comparativas de atividade física, antropometria e perfil lipídico entre indivíduos obesos com perfis metabolicamente saudáveis e não saudáveis

Conteúdo do artigo principal

Leticia Lara Loureiro
Jessica Sant'Ana Santos
Vitor Rossi de Almeida
Daniela Martins da Silva
Flavio Rossi de Almeida

Resumo

A obesidade é considerada um dos principais problemas de saúde pública atualmente, e está associada ao desenvolvimento de outras patologias crônicas e anormalidades metabólicas, como doenças cardiovasculares (DCVs), hipertensão e dislipidemias. No entanto, existe um subconjunto de indivíduos, denominado obesos metabolicamente saudáveis (OMS), que, embora apresentem sobrepeso, não manifestam estas outras anormalidades metabólicas características. A prática de exercícios físicos é essencial no controle da obesidade, e a ausência ou prática insuficiente dela pode levar ao aumento de morbi/mortalidade, não estando associada apenas ao aumento de peso. Assim, buscamos comparar os perfis antropométrico, cardiovascular e lipídico dos indivíduos obesos metabolicamente anormais (OMA) e dos indivíduos obesos metabolicamente saudáveis, bem como comparar a prática de atividade física entre estes grupos, para entender se estes perfis se apresentam mais favoráveis no grupo OMS, independente do excesso de gordura corporal, e se este grupo é mais ativo fisicamente, reduzindo o risco de DCVs.   Para isso, realizamos um estudo com voluntários de ambos os sexos, com idade ≥ 18 anos e IMC > 25Kg/m. Analisamos a prática de atividade física (IPAQ) e exame sanguíneo, avaliando o perfil lipídico (colesterol total e frações, e triglicérides). As comparações entre as variáveis foram estabelecidas por Teste T, Correlação de Pearson e o teste de Chi-quadrado para resultados paramétricos, utilizando o valor de p≤ 0,05. Menos da metade dos indivíduos declararam-se hipertensos e revelaram-se dislipidêmicos. A média do IMC classificou-os no grupo de obesidade grau 1 (um), entretanto, houve diferenças entre as medidas e índices antropométricos, perfis cardíaco e lipídico e a regularidade da prática de atividade física de ambos os grupos. Desta forma, concluímos que o grupo OMS apresentou perfis mais favoráveis em relação ao grupo OMA, e são fisicamente mais ativos, podendo ser estes os fatores que caracterizam e contribuem para o desenvolvimento do fenótipo mais favorável.

Detalhes do artigo

Como Citar
1.
Loureiro LL, Sant’Ana Santos J, Rossi de Almeida V, Martins da Silva D, Lopes Motoyama Y, Rossi de Almeida F. Análises comparativas de atividade física, antropometria e perfil lipídico entre indivíduos obesos com perfis metabolicamente saudáveis e não saudáveis. Braz. J. Nat. Sci [Internet]. 26º de setembro de 2023 [citado 22º de junho de 2024];5(1):E184202 -, 1. Disponível em: https://bjns.com.br/index.php/BJNS/article/view/184
Seção
Artigo em fluxo contínuo

Referências

Melo ME. Doenças desencadeadas ou agravadas pela obesidade. Associação Brasileira para o Estudo de Obesidade e da Síndrome Metabólica – ABESO. [citado em 5 maio 2011]. Disponível em: http://www.abeso.orgs.br/uploads/downloads/28/5521afaf13cb9.pdf.

Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Tratamento da obesidade. [Internet] Centro Especializado em Obesidades e Diabetes. 2016. Disponível em: http://centrodeobesidadeediabetes.org.br/tudo-sobre-obesidade/tratamento-da-obesidade/.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. I Diretriz Brasileira de Prevenção Cardiovascular. Arq. Bras. Cardiol. 2013;101(6).

Filho FFR. Gordura visceral e síndrome metabólica: mais que uma simples associação. Arq Bras Endocrinol Metab, 2006;50:2.

Brasil, Ministério da Saúde. Vigitel - Brasil 2018: Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2018[acesso em set 2019]. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/julho/25/vigitel-brasil-2018.pdf.

Primeau V, Coderre L, Karelis AD, Brochu M, Lavoie ME, Messier V et al. Characterizing the profile of obese patients who are metabolically healthy. International Journey of Obesity, 2011;35:971-981.

Karelis, AD. Clinical markers for the identification of metabolically healthy but obese individuals. Diabetes, Obesity and Metabolism, 2004;6:456-7.

Karelis AD, St-Pierre DH, Conus F, Rabasa-Lhoret R, Poehlman ET. Metabolic and body composition factors in subgroups of obesity: what do we know? J Clin Endocrinol Metab. 2004; 89:2569-75.

Kerelis AD. Metabolically healthy but obese individuals. The Lancet, 2008;372:1281-3.

Muñoz-Garach A, Cornejo-Pareja I, Tinahones FJ. Does metabolically healthy obesity exist? Nutrients, 2016;(8)6: 320.

Roberson L, Aneni E, Maziak W, Agatston A, Feldman T, Rouseff M, et al. Beyond BMI: The "Metabolically healthy obese" phenotype & its association with clinical/subclinical cardiovascular disease and all-cause mortality - A systematic review. BMC Public Health. 2014;14:1-12.

Boonchaya-Anant P, Apovian CM. Metabolically healthy obesity - does it exist?. Curr Atheroscler Rep. 2014;1-9.

Brochu M, Tchernof A, Dionne IJ, Sites CA, Eltabbakh GH, Sims EAH et al. What are the physical characteristics associated with a normal metabolic profile despite a high level of obesity in postmenopausal women? The Journal of Clinical Endocrinology & Society. 2001; 86(3):1020-25.

Karelis AD, Brochu M, Rabasa-Lhoret R. Can we identify metabolically healthy but obese indivuals (MHO)? Diabets Metabo. 2004;30:569-72.

Wildman RP, Mntiner P, Reynolds K, et al. The obese without cardiometabolic risk factor clustering and the normal weight with cardiometabolic risk factor clustering: prevalence and correlates of 2 phenotypes among US population. Arch Intern Med. 2008;168:1617- 24.

Karelis AD, Faraj M, Bastard JP, St-Pierre DH, Brochu M, Prud'homme D, et al. The metabolically healthy but obese individual presents a favorable inflammation profile. The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, 2005; 90(7):4145-50.

Guhold R, Stevens AG, Riley F, Bull FC. Worldwide trends in insufficient physical activity from 2001 to 2016: a pooled analysis of 358 population-based surveys with 1•9 million participants. The Lancet, 2018; 6:1079-82.

Mello MT, Boscolo RA, Esteves AM, Tufik S. O exercício físico e os aspectos psicobiológicos. Ver Bras Med Esporte. 2005;11:203-7.

Fett CA, Fett WCR, Marchini JS, Ribeiro RPP. Estilo de vida e fatores de risco associados ao aumento da gordura corporal de mulheres. Ciências & Saúde Coletiva, 2010;15(1):131- 40.

Pereira-Lancha LO, Campos-Ferraz PL, Junior AHL. Obesity: considerations about etiology, metabolism, and the use of experimental models. Diabets, Metabolic Syndrome and Obesity: Targets and Therapy. 2012;5:75-87.

Santana GJ, Silva NJ, Costa JO, Vázquez CMP, Silva DG, Barbosa KBF. Comparação entre o Índice de Massa Corporal e o percentual de gordura como indicadores do risco cardiometabólico. Health Sci inst. 2015; 33(1):63-8.

Deprés JP, Lemieux I, Bergeron J, Pibarot P, Mathieu P, Larose E, et al. Abdominal obesity and the Metabolic Syndrome: Contribuition to global Cardiometabolic Risk. Arterioscler Thromb Vasc Biol. 2008;1039-49.

Oliveira MAM, Fagundes RLM, Moreira EAM, Trindade EBSM, Carvalho T. Relação de indicadores antropométricos com fatores de risco para doença cardiovascular. Sociedade Brasileira de Cardiologia; 2008.

Ministério da Saúde [Internet]. IMC em adultos. [citado em 30 mai 2017]. Disponível em: https://www.saude.gov.br/component/content/article/804-imc/40509-imc-em-adultos.

Dórea EL, Lotufo PA. Framingham Heart Study e a teoria do contínuo de Pickering: duas contribuições da epidemiologia para a associação entre pressão arterial e doença cardiovascular. Ver Bras Hipertens. 2001;8(2):195-9.

Zhang Y, Gu Y, Zhao Q, Ng N, Wang R, Zhou x, et al. Association between anthropometric indicators of obesity and cardiovascular risk factors among adults in Shanghai, China. BMC Public Health. 2019;19:1035-43.

Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) [Internet]. Doenças cardiovasculares, 2017 [acesso em mar 2020]. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5253:doenca s-cardiovasculares&Itemid=1096.

Fuchs SC, Biolo A, Polanczyk CA. Epidemiologia cardiovascular: o legado de sólidos estudosnacionais e internacionais. Arq. Bras. Cardiol. 2013;101(2).

Mongraw-Chaffin M, Foster MC, Anderson CAM, Burke GL, Haq N, Kalayani RR et al. Metabolically healthy obesity, transition to metabolic syndrome, and cardiovascular risck. Journal ofthe American College of Cardiology. 2018; 71: 1857-65.

Oliveira JEP, Junior RMM, Vencio S. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2017-2018. São Paulo; Editora Clannad, 2017.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. VII Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Arq BrasCardiol. 2017; 24(1).

Ortega FB, Lee DC, Katzmarzyk PT, Ruiz JR, Sui X, Church TS et al. The intriguing metabolically healthy but obese phenotype: cardiovascular prognosis and role of fitness. European Heart Journal, 2013; 34: 389-7.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)