Uso de plantas medicinais no tratamento de ansiedade no ambiente acadêmico

Conteúdo do artigo principal

Alana Luisa Sampaio da Silva
Andressa Alexandre Cocolete
Ellen Cristina Ferreira
Alyne Alexandrino Antunes
Rodrigo Vieira Gonzaga

Resumo

Introdução: O Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG) se caracteriza pelos sentimentos vagos desagradáveis e de preocupações excessivas, um mal-estar psíquico, relacionado ao medo, a apreensão e a incerteza, provocando uma tensão e/ou um desconforto antecipado do desconhecido. Algumas plantas medicinais são utilizadas para o tratamento do TAG, como por exemplo, à Matricaria recutita, Valeriana officinalis, Passiflora incarnata e Piper methysticum. Objetivo: O objetivo deste estudo foi delinear a prevalência de sintomatologia de TAG, avaliar as variáveis demográficas, o conhecimento e uso de plantas medicinais no tratamento de TAG no contexto acadêmico. Metodologia: Trata-se de um estudo observacional do tipo transversal, realizado em cursos da área da saúde da Universidade Anhembi Morumbi (UAM) em São Paulo-SP, Brasil. Para esta pesquisa, foram considerados elegíveis os candidatos matriculados em cursos da Escola da Saúde e Bem estar, devidamente matriculados entre o primeiro e sexto ano, com idade igual ou maior que 18 anos. Resultados: Apenas 13,3% dos participantes não se consideram ansiosos, contudo, foi constatado que, mesmo o participante levando em consideração não ser ansioso, se queixou de alguns sintomas físicos, psicológicos ou ambos relacionados a quadros de ansiedade. A pesquisa identificou que 31,6% dos participantes relataram que já fizeram uso de medicamentos alopáticos e 31,1% relataram o uso de plantas medicinais para tratamento de TAG.  Conclusão: Mesmo no ambiente acadêmico nota-se que 38,9% dos universitários não possuem conhecimento sobre as terapias alternativas

Detalhes do artigo

Como Citar
1.
Sampaio da Silva AL, Alexandre Cocolete A, Ferreira EC, Alexandrino Antunes A, Vieira Gonzaga R. Uso de plantas medicinais no tratamento de ansiedade no ambiente acadêmico. Braz. J. Nat. Sci [Internet]. 1º de dezembro de 2020 [citado 29º de junho de 2022];3(3):458. Disponível em: https://bjns.com.br/index.php/BJNS/article/view/124
Seção
Artigo Original

Referências

Andrade JV, Pereira LP, Vieira PA, da Silva JVS, de Macedo Silva A, Bonisson MB, et al. ANSIEDADE: UM DOS PROBLEMAS DO SÉCULO XXI. Revista de Saúde ReAGES. 2019;2(4):34-9.

Zanusso CS. Fitoterapia e essências florais no controle da ansiedade entre docentes do curso de graduação em enfermagem. 2019.

Braga JEF, Pordeus LC, Silva ATMC, Pimenta FCF, Diniz MdFFM, Almeida RN. Ansiedade patológica: bases neurais e avanços na abordagem psicofarmacológica. Rev bras ciênc saúde. 2010.

Schönhofen FdL, Neiva-Silva L, Almeida RBd, Vieira MECD, Demenech LM. Transtorno de ansiedade generalizada entre estudantes de cursos de pré-vestibular. Jornal Brasileiro de Psiquiatria. 2020(AHEAD).

Astrês Fernandes M, Pinho Ribeiro HK, Marques Santos JD, de Souza Monteiro CF, dos Santos Costa R, Silva Soares RF. Prevalência dos transtornos de ansiedade como causa de afastamento de trabalhadores. Revista Brasileira de Enfermagem. 2018;71.

Vasconcelos JRdO, Lôbo APdS, Melo Neto VLd. Risco de suicídio e comorbidades psiquiátricas no transtorno de ansiedade generalizada. Jornal brasileiro de psiquiatria. 2015;64(4):259-65.

Psiquiatria I. Características básicas do transtorno de ansiedade generalizada. Medicina (Ribeirão Preto, online). 2017;50(Supl 1):51-5.

Faustino TT, Almeida RBd, Andreatini R. Plantas medicinais no tratamento do transtorno de ansiedade generalizada: uma revisão dos estudos clínicos controlados. Brazilian Journal of Psychiatry. 2010;32(4):429-36.

Sarris J, Panossian A, Schweitzer I, Stough C, Scholey A. Herbal medicine for depression, anxiety and insomnia: a review of psychopharmacology and clinical evidence. European neuropsychopharmacology. 2011;21(12):841-60.

da Silva DR, Panosso IR, Donadon MF. Ansiedade em universitários: fatores de risco associados e intervenções–uma revisão crítica da literatura.

Lima JRND, Pereira AKAdM, Nascimento EGCd, Alchieri JC. Percepção do acadêmico de enfermagem sobre o seu processo de saúde/doença durante a graduação. Saúde & Transformação Social. 2013;4(4):54-62.

Caetano VC, Araujo FM, Machado MP. ANSIEDADE, ESTRESSE E DEPRESSÃO ASSOCIADO AO ÍNDICE DE RENDIMENTO ACADÊMICO EM ESTUDANTES DE FISIOTERAPIA. CADERNOS DE EDUCAÇÃO, SAÚDE E FISIOTERAPIA. 2019;6(12).

Lopes KCdSP, dos Santos WL. Transtorno de ansiedade. Revista de Iniciação Científica e Extensão. 2018;1(1):45-50.

Association AP. DSM-5: Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: Artmed Editora; 2014.

Hiemke C, Härtter S. Pharmacokinetics of selective serotonin reuptake inhibitors. Pharmacology & therapeutics. 2000;85(1):11-28.

Whalen K, Finkel R, Panavelil TA. Farmacologia Ilustrada-6ª Edição: Artmed Editora; 2016.

Singh HK, Saadabadi A. Sertraline. StatPearls [Internet]: StatPearls Publishing; 2019.

LANNES AS. Uso de antidepressivos na infância e adolescência. 120 p. 2018. Monografia (graduação em farmácia)–Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora. 2018.

Brasil, Ministério da Saúde. NBR 293/2013: Clonazepam. Brasília: 2013. Disponível em: http://www.saude.gov.br/images/pdf/2014/agosto/28/Clonazepam.pdf.

Brasil, Ministério da Saúde. Monografia da espécie Salix alba (SALGUEIRO BRANCO). Brasilia: Direb-002-Fio-13, 2015. 74 p. Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/setembro/11/Monografia-Salix-alba.pdf. Acesso em: 25 set. 2020.

Amsterdam JD, Shults J, Soeller I, Mao JJ, Rockwell K, Newberg AB. Chamomile (Matricaria recutita) may have antidepressant activity in anxious depressed humans-an exploratory study. Alternative therapies in health and medicine. 2012;18(5):44.

Fonseca LRd, Rodrigues RdA, Ramos AdS, da Cruz JD, Ferreira JLP, Silva JRdA, et al. Herbal Medicinal Products from Passiflora for Anxiety: An Unexploited Potential. The Scientific World Journal. 2020;2020.

Patočka J, Jakl J. Biomedically relevant chemical constituents of Valeriana officinalis. Journal of applied biomedicine. 2010;8(1):11-8.

Santana G, Silva A. O uso de plantas medicinais no tratamento da ansiedade. Centro Universitário São Camilo, São Paulo, SP. 2015.