Conservantes farmacotécnicos utilizados em produtos dermocosméticos magistrais.

Conteúdo do artigo principal

Amanda Alves Galo
Camila Yoshie Outa
Lidiane Ribeiro dos Santos
Raquel Silveira Bertoluci
Nathália Silveira Barsotti

Resumo

Com o histórico da cultura da beleza desde os primórdios, os cosméticos estão sempre presentes na vida do ser humano e, com o passar do tempo, surgiram os famosos dermocosméticos, que se diferenciam por possuírem ativos farmacológicos em sua composição, agindo assim não só na parte estética, mas promovendo saúde e bem-estar ao consumidor. Com todo esse avanço, cada vez mais as empresas desse ramo se especializam e aprimoram seus produtos, buscando oferecer ao consumidor uma formulação estável, segura e eficaz.


Para garantir uma maior segurança e estabilidade da formulação a ser preparada, é de suma importância que agentes microbianos não consigam proliferar no produto, e para isso são adicionados agentes conservantes, podendo ser de origem natural ou sintética.


O presente trabalho busca, através de revisão bibliográfica, apresentar as principais características desses agentes mais referenciados na literatura pesquisada para formulações dermocosméticas, seus benefícios e possíveis malefícios, colaborando assim, com o discernimento quanto a melhor escolha para uma determinada formulação.


Serão abordados os seguintes agentes conservantes: Ácido Benzoico, um dos primeiros aprovados pelo FDA; Ácido Sórbico, podendo ser de origem natural; Fenoxietanol, que pode ser derivado do chá verde ou sintetizado em laboratório; os famosos Parabenos, conservantes utilizados em larga escala no mercado; e Triclosan, agente muito utilizado em diversos produtos de cuidados pessoais, como desodorantes.

Detalhes do artigo

Como Citar
1.
Alves Galo A, Yoshie Outa C, Ribeiro dos Santos L, Silveira Bertoluci R, Silveira Barsotti N. Conservantes farmacotécnicos utilizados em produtos dermocosméticos magistrais. Braz. J. Nat. Sci [Internet]. 24º de maio de 2022 [citado 29º de junho de 2022];4(3):E1572022, 1-7. Disponível em: https://bjns.com.br/index.php/BJNS/article/view/157
Seção
Artigo de revisão em fluxo contínuo
Biografia do Autor

Camila Yoshie Outa, Discente do curso de Farmácia da Universidade Anhembi Morumbi - São Paulo - Brasil

Discente do curso de Farmácia da Universidade Anhembi Morumbi - São Paulo - Brasil

Lidiane Ribeiro dos Santos, Discente do curso de Farmácia da Universidade Anhembi Morumbi - São Paulo - Brasil

Discente do curso de Farmácia da Universidade Anhembi Morumbi - São Paulo - Brasil

Raquel Silveira Bertoluci, Docente do curso de Farmácia da Universidade Anhembi Morumbi - São Paulo - Brasil

Docente do curso de Farmácia da Universidade Anhembi Morumbi - São Paulo - Brasil

Nathália Silveira Barsotti, Docente da Escola de Ciências da Saúde e Bem-Estar - Universidade Anhembi Morumbi - São Paulo, SP – Brasil

Docente da Escola de Ciências da Saúde e Bem-Estar - Universidade Anhembi Morumbi - São Paulo, SP – Brasil

Referências

Conservantes. Cosméticos e Perfumes. São Paulo, (43). jan/fev/mar. 2007.

ANVISA, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da diretoria colegiada - RDC N° 528, de 4 de agosto de 2021. Disponível em: <https://www.gov.br/anvisa/pt-br/assuntos/noticias-anvisa/2021/novas-normas-tratam-de-produtos-de-higiene-pessoal-cosmeticos-e-perfumes> Acesso em 27 de setembro de 2021.

Matos, Simone Pires, D. Noções Básicas em Dermatocosmética. Disponível em: Minha Biblioteca, Editora Saraiva, 2015.

BARCAUI, E. CARVALHO, A.C.P. PIÑERO-MACEIRA, J. BARCAUI, C.B. Study of the skin anatomy with high-frequency (22 MHz) ultrasonography and histological correlation. Scielo Disponível em: <https://www.scielo.br/j/rb/a/zqXnLjNKJWQ5fDpJw3QnFhD/?lang=en>. Acesso em 26 de março de 2022.

MORAES, C. A. MOREIRA, A. P. MAIA, C. R. Toxicidade de Triclosan em Desodorantes. Disponível em: <https://www.sp.senac.br/blogs/InterfacEHS/wp-content/uploads/2015/12/149_InterfacEHS_artigo_revisado.pdf >

ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da diretoria colegiada - RDC N° 07, de 10 de fevereiro de 2015. Disponível em:< https://www.diariodasleis.com.br/legislacao/federal/229701-regularizacao-de-produtos-de-higiene-pessoal-cosmeticos-e-perfumesdispoe-sobre-os-requisitos-tecnicos-para-a-regularizacao-de-produtos-de-higiene-pessoal-cosmeticos-e-perfume.html> Acessado em: 19 de janeiro 2022.

GONÇALVES, M. M. B. M. M. Cuidados dermocosméticos da rosácea. 2016. Monografia (Graduação em Farmácia) – Faculdade de Farmácia, Universidade de Coimbra, Portugal, 2016.

DRENO. B, ARAVIISKAIA. E, BERARDESCA. E, BIEBER. J, HAWK. J, SANCHEZ-VIEIRA. M, WOLKENSTEIN. P. The science of dermo cosmetics and its role in dermatology. Pubmed. Disponível em: <https://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/jdv.12497> - Acesso em 19 de março de 2022.

OLMO, A. CALZADA, J. NUNEZ, M. Benzoic acid and its derivatives as naturally occurring compounds in foods and as additives: Uses, exposure, and controversy. Taylor & Francis Online. 2017 Disponível em: <https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/10408398.2015.1087964>. Acesso em: 11 de janeiro de 2022

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ. Ácido benzóico. Disponível em: <https://www.icb.ufmg.br/institucional/administracao-central/gerencias/residuos/fispq-fichas-de-informacoes-de-seguranca-de-produtos-quimicos/607-acido-benzoico/file#:~:text=H315%20Provoca%20irrita%C3%A7%C3%A3o%20%C3%A0%20pele,repetida%20ou%20prolongada%2C%20se%20inalado> - Acesso em 27 de março de 2022.

ALLEN JUNIOR, L. V, ANSEL, H. C, POPOCIVH, N. G. Forma Farmacêuticas e Sistema de Liberação de Fármacos. Porto Alegre: Artmed. 2007, 8.ed.

THE EUROPEAN PARLIAMENT AND THE COUNCIL OF THE EUROPEAN UNION. Regulation (EU) No 528/2012 concerning the making available on the market and use of biocidal products: Chlorocresol (CMK) Product-type PT 1 (Human hygiene). França: EU, 2017.

JORGE, A. Avaliação da eficácia de conservantes em preparações comerciais para higiene íntima. Relatório de estágio para obtenção do Grau de Mestre em Ciências Farmacêuticas - Ciências da Saúde, Universidade da Beira Interior. Covilhã, p. 103. 2013.

Chlorocresol. Ataman Chemicals, 2002. Disponível em: <https://atamankimya.com/Assets/Documents/Chlorocresol_by_ATAMAN_CHEMICALS_20201113_214216.pdf> - Acesso em 20 de fevereiro de 2022.

AKGÜNDÜZ, Ç, M. ÇAVUŞOĞLU, K. YALÇIN, E. The Potential Risk Assessment of Phenoxyethanol with a Versatile Model System. Pubmed. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6985251/> - Acesso em 14 de outubro de 2021.

GILBERT, P. BEVERIDGE, E. G. CRONE, P. B. The action of phenoxyethanol upon respiration and dehydroge- nase enzyme systems in Escherichia coli. Journal of Pharmacy and Pharmacology. Pubmed. Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/12328/> - Acesso em 15 de novembro de 2021.

NÚÑEZ, O, R. CARBALLAS, V, C. CARBALLADA, G, F; BOQUETE, P, M. 2-Phenoxyethanol-Induced Contact Urticaria and Anaphylaxis. Pubmed. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/20815317/> - Acesso em 25 de janeiro de 2022.

KIM, H, T. KIM, G, M. KIM, G, M. SHIN, S,B. KIM, K. LEE, B, J. PAIK. H, S. YOO, D, S. Simultaneous determination of phenoxyethanol and its major metabolite, phenoxyacetic acid, in rat biological matrices by LC-MS/MS with polarity switching: Application to ADME studies. Pubmed. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/26452788/> - Acesso em 25 de janeiro de 2022.

ANVISA, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC N°29, de 1° de junho de 2012. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2012/rdc0029_01_06_2012.html> - Acesso em: 23 de outubro de 2021.

DRENO, B. ZUBERBIER, T. GELMETTI, C. GONTIJO, G. MARINOVICH, M. Safety review of phenoxyethanol when used as a preservative in cosmetics. Pubmed. Disponível em: <https://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/jdv.15944> - Acesso em 18 de janeiro de 2022.

HERNÁNDEZ, B. ORTIZ-FRUTOS, J, F. GARCIA, M. PALENCIA, S. GARDÍA, C, M. INGLESIAS, L. Contact urticaria from 2-phenoxyethanol. Pubmed. Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/12225420/> - Acesso em 18 de janeiro de 2022.

SONI, M, G. CARABIN, I, G. Burdock, G, A. Safety assessment of esters of p-hydroxybenzoic acid (parabens). Pubmed. Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/15833376/> - Acesso em 18 de março de 2022.

HARVEY, W, P. EVERETT, J, D. Significance of the Detection of Esters of p-Hydroxybenzoic Acid (Parabens) in Human Breast Tumours. Pubmed. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/14745840/> - Acesso em 25 de fevereiro de 2022.

COELHO, C, S. Parabenos: Convergências e divergências científicas e regulatórias. Dissertação (Mestrado em Toxicologia Aplicada à Vigilância Sanitária) Universidade Estadual de Londrina, 2013.

FREESE, E. SHEU, C, W. GALLIERS, E. Nature 1973, 241, 321.

CASTELAIN, F. CASTELAIN, M. Parabens: a real hazard or a scare story? Pubmed. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/23131320/#:~:text=Parabens%20are%20well%2Dknown%20for,new%20cases%20of%20contact%20allergy.> - Acesso em 31 de novembro de 2021.

ANVISA, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Farmacopéia Brasileira, 6ª ed., 2019. Insumos Farmacêuticos e Especialidades; página 1145.

BŁĘDZKAJ, D. GROMADZIŃSKA, J. WĄSOWICZ, W. Parabenos. From environmental studies to human health. Pubmed. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/24657492/> - Acesso em 28 de novembro de 2021.

VOSÁTKA, R. KRÁTKÝ, M. VINŠOVÁ, J. Triclosan and its derivatives as antimycobacterial active agents. Pubmed. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29277667/> - Acesso em 22 de janeiro de 2022.

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.