Descarte de medicamentos: como a falta de conhecimento da população pode afetar o meio ambiente

Conteúdo do artigo principal

Andressa Cristina Morretto
Karina Guariento Miguel da Silva
Beatriz Kuchinski Cavalcante
Milena Antunes Gimenes Ferreira
Gustavo José Vasco Pereira

Resumo

Os medicamentos são de grande importância para a sociedade devido a melhora da qualidade de vida, porém o descarte incorreto destes tem prejudicado o meio ambiente em grande escala. O objetivo deste estudo foi avaliar os conhecimentos sobre o descarte correto dos medicamentos, detectar os impactos no meio ambiente e identificar se farmácias e drogarias realizam a coleta de medicamentos da comunidade. A metodologia utilizada consistiu no levantamento bibliográfico e duas pesquisas de campo, buscando informações sociais através de pessoas residentes da cidade de São Paulo e Grande São Paulo e aplicação de questionários em farmácias e drogarias das mesmas regiões. Os resultados mostram que dos 490 entrevistados, 55% não possuíam o conhecimento sobre o descarte correto, e 265 pessoas realizavam o descarte em lixo doméstico totalizando 54,1%. A pesquisa realizada em 94 estabelecimentos revelou que 73,4% não realizam a coleta de medicamentos provenientes da população, a maioria devido ao alto custo. Podemos evidenciar que houve um aparentemente crescimento do conhecimento da população em relação a pesquisas feitas anteriormente sobre o descarte correto de medicamentos. Conclui-se que a conscientização e a participação da população e dos profissionais de saúde são imprescindíveis para minimizar os impactos acarretados devido ao descarte incorreto dos medicamentos, além de uma legislação mais rigorosa.

Detalhes do artigo

Como Citar
1.
Morretto AC, Cabrini L, Miguel da Silva KG, Cavalcante BK, Gonzalez AR, Gimenes Ferreira MA, Vasco Pereira GJ. Descarte de medicamentos: como a falta de conhecimento da população pode afetar o meio ambiente. Braz. J. Nat. Sci [Internet]. 1º de dezembro de 2020 [citado 29º de junho de 2022];3(3):442. Disponível em: https://bjns.com.br/index.php/BJNS/article/view/121
Seção
Artigo Original

Referências

1. Bandeira EO, Abreu DPG, Lima JP, Costa CFS, Costa AR, Martins NFF. Descarte de medicamentos: uma questão socioambiental e de saúde. Rev Online Pesqui. 2019;11(1):1–10.
2. Ferreira FN, Ribeiro HMC, Beltrão NES, Pontes AN. Política Nacional De Resíduos Sólidos: Um Estudo Sobre O Descarte De Medicamentos E a Responsabilidade Compartilhada Na Cidade De Belém, Pará, Brasil. Rev Direito da Cid. 2018;10(4):2988–3011.
3. De Almeida AA, Sousa MCB da C, Soares T de O, De Morais AEF, De Assunção NB. Descarte inadequado de medicamentos vencidos: efeitos nocivos para a saúde e para a população. Rev Saúde e Meio Ambient. 2019;9(2):155–62.
4. Miotto PPS, Eskelsen MW, Fritzen M, Dutra RL. Medicamentos vencidos descartados no meio ambiente. Rev Estácio Saúde. 2015;4(2):41–51.
5. De Carvalho EV, Ferreira E, Mucini L, Santos C. Aspectos legais e toxicológicos do descarte de medicamentos. Rev Bras Toxicol. 2009;22(1–2):1–8.
6. Sinitox. Dados de intoxicação [Internet]. 2019 [cited 2020 Apr 20]. Available from: https://sinitox.icict.fiocruz.br/dados-nacionais
7. Pinto GMF, da Silva KR, Pereira R de FAB, Sampaio SI. Estudo do descarte residencial de medicamentos vencidos na região de Paulínia (SP), Brasil. Eng Sanit e Ambient. 2014 Jul 1;19(3):219–24.
8. Souza CPFA de, Falqueto E. Descarte de Medicamentos no Meio Ambiente no Brasil. Rev Bras Farm. 2015;96(2):1142–58.
9. Ueda J, Tavernaro R, Marostega V, Pavan W. Impacto ambiental do descarte de fármacos e estudo da conscientização da população a respeito do problema. Rev Ciências do Ambient. 2009;5(1):1–6.
10. Silva APRF da, Leão VG. Descarte de mediamentos e sus impactos à saúde e meio ambiente. 2019;28(4):92–6.
11. Oliveira JC, Lima JOM, Zan LB, Marcondes G, Iha M, Marques LAM. Implantação de postos de coleta para o descarte adequado de medicamentos e subsequente destinação final. Saúde, Meio Ambient E Sustentabilidade. 2015;10(1):104–16.
12. Hilal-Dandan R, Brunton LL. Manual de farmacologia e terapêutica de Goodman & Gilman. 2nd ed. Porto Alegre: Artmed; 2015. 1204 p.
13. Blankenstein GMP, Phillip Junior A. O descarte de medicamentos e a Política Nacional de Resíduos Sólidos: uma motivação para a revisão das normas sanitárias. Rev Direito Sanitário. 2018;19(1):50–74.
14. Pozzetti VC, Monteverde JFS. Gerenciamento Ambiental E Descarte Do Lixo Hospitalar. Veredas do Direito. 2017;14(28):195–220.
15. Costa SCR, Lira TM, Souza KA da S, Silva AKM da, Barbosa AR de M, Rêgo NTDS do, et al. Avaliação do conhecimento dos usuários de Unidades Básicas de Saúde sobre os riscos ambientais decorrentes do descarte incorreto de medicamentos. Bol Inf Geum. 2017;8(1):23–8.
16. Soares PAO, Rosa CCN. Descarte de medicamentos: um problema de súde pública. Rev Mosaicum. 2018;27:159–67.
17. Pinto NB, Pires J. Revista de Pesquisa Interdisciplinar, Cajazeiras, n.2, suplementar. 2017.
18. Ramos HMP, Cruvinel VRN, Meiners MMMDA, Queiroz CA, Galato D. Descarte De Medicamentos: Uma Reflexão Sobre Os Possíveis Riscos Sanitários E Ambientais. Ambient Soc [Internet]. 2017;20(4):149–74. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2017000400145&lng=en&tlng=en
19. Ferreira FN, Ribeiro HMC, Beltrão NES, Pontes AN. Política nacional de resíduos sólidos: um estudo sobre o descarte de medicamentos e a responsabilidade compartilhada na cidade de Belém, Pará, Brasil. Rev Direito da Cid. 2018 Dec 3;10(4).
20. Querol MVM, Pessano EFC, Machado MM, Oliveira LFS de. Contaminação ambietal por medicamnetos. In: Duarte JA, Quintana LD, Querol MVM, Machado MM, Oliveira LFS de, editors. Rio Uruguai: Contribuições Científicas [Internet]. 1st ed. Rio Grande do Sul; 2018. p. 130–46. Available from: http://dspace.unipampa.edu.br:8080/
21. Borges RM, Minillo A, Lemos EG de M, do Prado HFA, Tangerino EP. Uso de filtros de carvão ativado granular associado a microrganismos para remoção de fármacos no tratamento de água de abastecimento. Eng Sanit e Ambient. 2016;21(4):709–20.
22. Medeiros M, Moreira L, Lopes C. Descarte de medicamentos: programas de recolhimento e novos desafios. Rev Ciênc Farm Básica Apl. 2014;35(4):651–62.
23. Flanagan PK, Coupland SE, Arumainathan A, Probert CSJ. A rare cause of weight loss. Gut. 2014;63(6):1–61.
24. Falqueto E, Kligerman DC, Assumpção RF. Como realizar o correto descarte de resíduos de medicamentos? Cienc e Saude Coletiva. 2010;15(SUPPL. 2):3283–93.
25. BRASIL. Resolução de Diretoria Colegiada – RDC No 44, DE 17 DE AGOSTO DE 2009. Diário Of da União [Internet]. 2009;134(Seção 1):86. Available from: http://portal.anvisa.gov.br/documents/10181/2718376/RDC_44_2009_COMP.pdf/2180ce5f-64bb-4062-a82f-4d9fa343c06e
26. ANVISA. Descarte de medicamentos: realizada terceira reunião do grupo de trabalho [Internet]. 2011 [cited 2020 May 15]. Available from: http://portal.anvisa.gov.br/noticias/-/asset_publisher/FXrpx9qY7FbU/content/descarte-de-medicamentos-realizada-terceira-reuniao-do-grupo-de-trabalho/219201?inheritRedirect=false
27. BRASIL. Decreto no 10388 de 05 de junho de 2020. Diário Of da União. 2020;107-A(Seção 1):1.
28. Constantino VM, Fregonesi BM, Tonani KA de A, Zagui GS, Toninato APC, Nonose ERDS, et al. Storage and disposal of pharmaceuticals at home: A systematic review. Cienc e Saude Coletiva. 2020;25(2):585–94.
29. Souza BC de OQ de, Panassollo DB, Palmeira DC, Campos MMN, Sousa MS de, Magalhães RC. Análise da gestão de resíduos medicamentosos em farmácias do município de Santarém-PA. Rev Gestão Sustentabilidade Ambient. 2019;8(1):907–22.
30. Silva AF da, Martins VLFD. Logística reversa de pós-consumo de medicamentos em Goiânia e região metropilitana - um estudo de caso. Bol Goianp Geogr. 2017;37(1):56–73.
31. Pessoa EV, Marques FVBS, Pereira ALFF, Barros CS, Costa MC. Logística reversa de medicamentos: um estudo em farmácias e drogarias, Sobral - Ceará. XIV Simpósio Ítalo-Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. 2018;1–5.
32. Real T de OF de S, Cardoso JMRG. Logística reversa de medicamentos: um estudo do posicionamento das farmácias no município de Miracema/RJ. Rev Científica da FAMINAS. 2019;14(1):43–52.