Aplicação da ferramenta FMEA para análise de notificações de queixas técnicas de medicamentos sólidos no contexto de Quality by Design
Download

Palavras-chave

Quality by Design
Controle de Qualidade
Formas farmacêuticas s´ólidas

Como Citar

1.
Bicouv C, Pereira L, Giorgetti L. Aplicação da ferramenta FMEA para análise de notificações de queixas técnicas de medicamentos sólidos no contexto de Quality by Design. bjns [Internet]. 25jul.2020 [citado 23set.2020];3(2):321. Available from: http://bjns.com.br/index.php/BJNS/article/view/104

Resumo

O controle de qualidade em indústrias farmacêuticas tem sido aprimorado de maneira gradual com a implementação de novas estratégias e tecnologias, de modo a possibilitar a obtenção de produtos cada vez mais eficazes e seguros. Com surgimento do conceito de Quality by Design (QbD), a produção de medicamentos passou a ser otimizada por meio da delimitação dos parâmetros de qualidade dos produtos desde os estágios iniciais de desenvolvimento e planejamento da formulação a partir das características do insumo farmacêutico ativo, visando a prevenção de defeitos e melhoria contínua da cadeia produtiva. Sendo assim, o presente estudo constitui uma análise quantitativa de notificações de irregularidades em medicamentos sólidos publicadas no site oficial da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) durante o período de 2017 a 2019, a partir do uso da metodologia de Análise de Modos de Falhas e Efeitos (FMEA) no contexto de QbD. Ao todo, foram analisadas 421 notificações de produtos farmacêuticos irregulares, das quais 28,5% correspondiam a queixas técnicas, sendo 60,0% delas referentes a medicamentos sólidos. Após a avaliação dos dados, verificou-se que aproximadamente 80,0% das não-conformidades encontradas estavam relacionadas a aspecto, dissolução, embalagem, doseamento e pureza, sendo o QbD uma estratégia eficiente para o gerenciamento dos riscos relacionados à produção, visando a redução de custos e implementação de estratégias que possibilitem a diminuição gradativa do número de queixas técnicas destes produtos.

 

https://doi.org/10.31415/bjns.v3i2.104
Download

Referências

1. World Health Organization. Sistema Mundial de Vigilância e Monitorização da OMS para os produtos médicos de qualidade inferior e falsificados. 2018;73.
2. Allen Jr L V., Popovich NG, Ansel HC. Formas farmacêuticas e sistemas de liberação de fármacos. 2013;716.
3. Lima PF de, Cavassini ACM, Silva FAT, Kron MR, Gonçalves SF, Spadotto A, et al. Queixas técnicas e eventos adversos a medicamentos notificados em um hospital sentinela do interior de São Paulo, 2009-2010. Epidemiol e Serviços Saúde. 2013;22(4):679–86.
4. Grangeia HB, Silva C, Simões SP, Reis MS. Quality by design in pharmaceutical manufacturing: A systematic review of current status, challenges and future perspectives. Eur J Pharm Biopharm [Internet]. 2020;147:19–37. https://doi.org/10.1016/j.ejpb.2019.12.007
5. Yu LX, Amidon G, Khan MA, Hoag SW, Polli J, Raju GK, et al. Understanding pharmaceutical quality by design. AAPS J. 2014;16(4):771–83.
6. Nadpara NP, Thumar R V., Kalola VN, Patel PB. Quality by design (QBD): A complete review. Int J Pharm Sci Rev Res. 2012;17(2):20–8.
7. Fahmy R, Kona R, Dandu R, Xie W, Claycamp G, Hoag SW. Quality by design I: Application of failure mode effect analysis (FMEA) and Plackett-Burman design of experiments in the identification of “main factors” in the formulation and process design space for roller-compacted ciprofloxacin hydrochloride immediat. AAPS PharmSciTech. 2012;13(4):1243–54.
8. Bezerra MP, Rodrigues LNC. Quality By Design (QbD) Como Ferramenta Para Otimização Dos Processos Farmacêuticos. Infarma - Ciências Farm. 2017;29(1):5.
9. Rito P, Stersi MA. Gestão de riscos à qualidade: manual prático para uso da ferramenta FMEA em processos farmacêuticos. FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ – FIOCRUZ Inst Tecnol em fármacos - FARMANGUINHOS. 2019;39.
10. Saxer P. Aplicação Da FMEA Para Análise De Riscos Na Qualidade Do Processo De Embalagens Em Uma Multinacional De Agroquímicos. 2015;84.
11. Brasil, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Produtos Irregulares. Brasília, DF: ANVISA. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/produtos-irregulares#/. Acesso em: 22 jun 2020.
12. Juliani CSR. Medicamentos: noções básicas, tipos e formas farmacêuticas. 2014;128.
13. Yu LX, Kopcha M. The future of pharmaceutical quality and the path to get there. Int J Pharm [Internet]. 2017;528(1–2):354–9. http://dx.doi.org/10.1016/j.ijpharm.2017.06.039
14. GIL ES. Controle Físico-Químico de Qualidade de Medicamentos. 2010;512.
15. Dias C. O papel do Quality by Design na cadeia de suprimentos desverticalizada e globalizada da indústria farmacêutica. 2017;336.
16. Douglas de Moraes Andrade Jr. Estudo de pré-formulação para o desenvolvimento de comprimidos simples de maleato de enalapril 20 mg. 2015;120.
17. Chaves JAP. Aplicação do princípio de Quality by Design no processo de desenvolvimento analítico de métodos indicativos de estabilidade. 2017;55.
18. ICH. ICH Harmonised Tripartite Guideline: Pharmaceutical Development Q8 (R2). ICH Harmon Guidel. 2009;8:28.
19. ICH. ICH Harmonised Tripartite Guideline: Good manufacturing practice guide for active pharmaceutical ingredients Q7. ICH Harmon Guidel. 2000;49.
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.