Terapia combinada para tratamento das estrias pós puerpério: benefícios da radiofrequência, vacuoterapia e fatores de crescimento
Download

Palavras-chave

Gestação
radiofrequencia
vacuoterapia
Fator de Crescimento

Como Citar

1.
Silva E, Gonçalves Penha F, da Silva Paranhos I, Fukamachi Bernardes M, de Figueiredo S, Almeida L, Ferreira L. Terapia combinada para tratamento das estrias pós puerpério: benefícios da radiofrequência, vacuoterapia e fatores de crescimento. bjns [Internet]. 25jul.2020 [citado 12ago.2020];3(2):365. Available from: http://bjns.com.br/index.php/BJNS/article/view/102

Resumo

 A pele é considerada o maior órgão do corpo em área de superfície e peso. Possui funções, como por exemplo, revestimento e proteção, podendo ser fina, espessa, lisa e áspera. Constitui-se por duas camadas distintas de tecidos: a epiderme, mais superficial, e a derme, mais profunda. Um dos problemas relacionados à pele são as estrias, que consistem em atrofias ocasionadas pelo rompimento das fibras elásticas e colágenas. A pele está associada a estética como um todo, tendo relação com a beleza e bem-estar, quando afetada, pode ocasionar baixa autoestima e problemas de ordem psicológica. A busca por tratamentos estéticos que atuem nas estrias de forma a melhorar o seu aspecto é o principal motivo dessa pesquisa. Pode-se observar, por exemplo, que basicamente a radiofrequência ou vácuo, quando utilizados com o objetivo de gerar um processo inflamatório controlado, estimulam a produção de colágeno e elastina e que os fatores de crescimento ajudam no processo de cicatrização e renovação celular. Esta pesquisa tem como objetivo apontar o caso das estrias desenvolvidas pela gravidez e o seu tratamento estético por meio dos recursos eletroterápicos e princípio ativo citados acima, ela se desenvolveu por meio de revisão de literatura integrativa, onde foram selecionadas obras publicadas entre o período de 2010 - 2020, que possibilitaram uma abordagem qualitativa e científica quanto a temática de referência.

 

https://doi.org/10.31415/bjns.v3i2.102
Download

Referências

Addor; Sérgio; Vanessa; Jayme. Gestação e predisposição ao aparecimento de estrias: correlação com as propriedades biomecânicas da pele. Surgical & Cosmetic Dermatology 2010 Fev; 2 (4): 253-256.

Bizarrias; Raposo; Pérez. Eficácia da eletrogalvanopuntura comparado à acupuntura na técnica de pica-pau (sangria) no tratamento de estrias nacaradas em mulheres pós-gravidez. Revista Fisioterapia Brasil 2017 Mai; 18 (4): 489-496.

Brait; Tessesine; Rocha; Dantas. Microagulhamento associado a fatores de crescimento e vitamina C no tratamento de estrias, fibro edema gelóide e flacidez tissular na região glútea. Revista Fisioterapia Brasil 2018 Jan; 19 (1): 80-88.

Cosme LV. Micropuntura com fatores de crescimento no tratamento de estrias abdominais: Um estudo experimental acerca da biomedicina estética. Faculdade de Ciências de Educação e Saúde. Brasilia, 2015.

Costa FCS. Utilização de corrente microgalvânica para o desenvolvimento de dois protocolos para tratamento de estrias albas. [dissertação]. Universidade Tecnológica Federal do Paraná; 2016.

Costa; Sousa; Magalhães; Souza; Ferreira; Oliveira. Microagulhamento no tratamento de estrias associado à cosmetologia. ReBIS-Revista Brasileira Interdisciplinar de Saúde 2019 Fev; 4 (1); 44-49.

Da Costa RS. Principais Métodos para Tratamento Estético de Estrias. Instituto de Ensino Superior e Pesquisa. Recife, 2016.

De Souza; Rocha; De Paula; Sobrinho. Gestação e predisposição ao aparecimento de estrias cutâneas. Universitas: Ciências da Saúde 2016 Abr.; 14 (1); 41-52.

Dolovitsch; Walter; Coelho. Revisão bibliográfica de alterações estéticas corporais: Estrias. Salão Do Conhecimento, 2016.

Franzen; Foppa; Zancanaro. O papel do farmacêutico magistral na prevenção de estrias gravídicas. Revista da Universidade Vale do Rio Verde 2016 Jan; 14 (1); 403-410.

Gadelha RSP. Tratamento da flacidez abdominal pós-parto utilizando as técnicas de radiofrequência e corrente russa. Faculdade de Ciências da Educação e Saúde. Brasília, 2018.

Guirro, Elaine Caldeira de Oliveira ; Guirro, Rinaldo Roberto de J. Fisioterapia dermato-funcional: fundamentos-recursos-patologias . 3 ed., rev. e ampl. Barueri: Editora Manole Ltda, 2004.

Hansen; Giacomolli; Reis; Deuschle. Qualificação Profissional das Acadêmicas do Curso de Estética e Cosmética Através de Ações Voltadas à Comunidade. Cata-ventos-Revista de Extensão da Universidade de Cruz Alta 2016 Jan; 7 (1); 123-136.

Isaac; Ladeira; Aldunate; Ferreira. Processo de cura das feridas: cicatrização fisiológica. Revista de Medicina 2010 Dez; 89 (4); 125-131.

Lopes IF. Estrias cutâneas: processo e estratégias para prevenir e retardar o aparecimento. [dissertação] Instituto Superior de Ciências Egaz Moniz, 2017.

Mansbridge, JN, Liu, K, Pinney, RE, Patch, R, Ratcliffe, A, Naughton, GK. Growth factors secreted by fibroblasts: role in healing diabetic foot ulcers. Diabetes, Obesity Metab. 1999, 1(5):265–79.

Moreira; Giusti. A fisioterapia dermato-funcional no tratamento de estrias: Revisão de literatura. Revista Científica da Uniararas 2013 Fev; 1 (2); 22-32.

Oliveira IC. Análise dos efeitos provocados pela utilização da vacuoterapia associada à aplicação da vitamina" nas estrias brancas: um relato de caso. Minas Gerais, 2016.

Pontes, A. Recursos fisioterapêuticos utilizados no tratamento das estrias: uma revisão de literatura. Caderno de ciências biológicas e da saúde 2013 Jan; 2 (1); 1-12).

Reis EES. Prevalência e fatores de risco para o surgimento de estrias de distensão relacionadas ao período gestacional: um estudo piloto. Universidade do Rio Grande do Sul, 2016.

Rezende; Pinheiro; Mendonça. Recursos terapêuticos utilizados no tratamento de estrias de distensão: uma revisão sistemática. Jornal de ciências biomédicas e saúde 2016 Fev; 1 (3); 59-67.

Rothe M, Falanga V. Growth factors. Their biology and promise in dermatologic diseases and tissue repair. Arch Dermatol. 1989; 125(10): 1390–8.

Salven P, Orpana A, Teerenhovi L, Joensuu H. Simultaneous elevation in the serum concentrations of the angiogenic growth factors VEGF and bFGF is an independent predictor of poor prognosis in non-Hodgkin lymphoma: a
single-institution study of 200 patients. Blood. 2000; 96(12):3712-8.

Santos; Coelho. Estudo do Tratamento de Estrias com Microcorrente Galvânica e Vacuoterapia. Universidade Anhanguera-Uniderp, 2017.
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.